Estilo Gpotico Jeronimos

Estilo Gótico: a arquitetura que nasceu com as catedrais

O estilo Gótico nasceu na França, nos anos 1050-1100, e as duas primeiras construções eram simplesmente soberbas: as catedrais de Chartres e a Notre Dame de Reims — as duas maiores e mais importantes do país.

O encantamento que estas duas catedrais provocaram na época foi tanto que o estilo construtivo ganhou a Europa nos tempos medievais com o nome de “Obra Francesa”, ou “Arte das Catedrais”.

O termo Gótico só foi adotado séculos depois, já durante o Iluminismo, e está ligado ao grotesco — mas, deixo para explicar melhor sobre isso mais adiante.

Um breve resumo sobre o Românico

Na cronologia da História da Arte o tipo de arquitetura que antecede o estilo Gótico é o Românico.

De uma maneira simplista e resumida podemos dizer que o Românico é o tipo de obra que se popularizou pela Europa com as Cruzadas, quando as igrejas precisaram ser protegidas e, portanto, foram praticamente transformadas em fortalezas.

Para evitar que fossem saqueadas as construções religiosas foram erigidas com paredes mais largas e com o mínimo de aberturas. Eram, por isso, pouco iluminadas.

Um cuidado maior com a decoração ficou restrito a ambientes internos, como os claustros dos mosteiros e conventos. A estatuária e a pintura acompanharam a solidez das construções, e toda a arte se restringiu a defesa do cristianismo e das peregrinações: afrescos, pinturas, esculturas e iluminuras.

Novas técnicas construtivas foram sendo desenvolvidas e as obras foram ficando cada vez maiores, acompanhando o crescente poder da Igreja Católica.

Nasce uma nova arquitetura

E foi graças ao desenvolvimento de novas técnicas e a ousadia de alguns construtores franceses que os projetos começaram a se destacar.

Obras com fachadas muito mais altas e seus pilares de sustentação mais estreitos, com o peso da cobertura distribuídos em uma complexa estrutura de arcos, ogivas e distribuição exterior — os arcobotantes.

Essa nova configuração possibilitou maiores aberturas, com mais portas e janelas muito mais amplas. As rosáceas se tornaram maiores e ganharam destaque: a luz passou a desempenhar um papel importante, valorizada pela arte dos vitrais.

As novas catedrais francesas de Chartres, Reims, Amiens se tornaram maiores, mais altas e visualmente mais leves. Embora continuassem tão resistentes quanto as Românicas.

decoração ganhou importância e as fachadas foram revestidas por uma profusão de detalhes e esculturas realistas — pensadas para fascinar os fiéis.

Agora ficou mais fácil entender porque o estilo que chegaria aos nossos dias como Gótico fez sucesso imediato e virou moda, passando a ser reproduzido em diversos Estados europeus.

Nomenclatura

Na Arte e na Arquitetura os nomes dos estilos sempre são dados posteriormente. Hoje ou antes ninguém pensou: “ah, hoje vou criar o estilo x!”.

Os nomes vão acontecendo… Na época, este tipo construtivo então nascente passou a ser chamado de “Obra Francesa“, do latim “Opus Francigenum“. Depois, quando se espalhou pela Europa, tornou-se a “Arte das Catedrais“.

O termo Gótico só foi inventado em 1550, quando o estilo já era visto como ultrapassado, ligado ao que era entendido como a Era das Trevas do mundo medieval.

É criação de um artista mediano, Giorgio Vasari. Embora seja dele o mérito de ter organizado pela primeira vez um livro de História da Arte, com a publicação de seu Vite — A Vida dos Excelentes Pintores, Escultores e Arquitetos.

Já na chamada Alta Renascença Vasari se referiu ao estilo das Obras Francesas como Gótico, por entender que era uma arte menos apurada, bárbara.

O termo vem dos Godos, em latim Gothi — uma tribo germânica ancestral ligada às Invasões Bárbaras. Erroneamente muita gente pensa que Gótico vem das palavras God, ou Gott — em referência a Deus.

Alguns exemplos incríveis do Estilo Gótico

Notre Dame, de Reims

Reims é a capital da região da Champagne e uma das mais antigas da França, com mais de 2000 anos de História.

Já foi conhecida como a “Cidade dos Reis” e e sua catedral, a Notre Dame, é uma das primeiras e mais importantes obras góticas da Europa.

Um dos monumentos mais icônicos do país, é belíssima e serviu de inspiração para a construção de dezenas de outras catedrais, entre elas a Notre Dame de Paris.

Em nossa opinião, a de Reims é muito mais bonita que a da capital francesa. Ali foram coroados nada menos que 33 reis!

fachada principal da construção impressiona e chega a paralisar a primeira vista: dizem haver mais de 2300 imagens. Impossível não ficar olhando e imaginando quantos homens trabalharam para colocá-la de pé.

estilogotico-reims
Série de imagens decorativas logo abaixo da imensa rosácea, na fachada principal.

Parece que a estrutura principal forma um bordado em pedra, com vazios deixados propositadamente para que o céu lhe dê ainda mais contraste.

Querendo saber mais sobre a cidade de Reims e sua catedral é só ler o post que preparamos sobre este destino.

Kölner Dom, a Catedral de Colônia

Para ter uma ideia de sua importância vale afirmar que é o monumento mais visitado da Alemanha!

Colônia, assim como Reims, foi fundada pelos romanos e também tem mais de 2 milênios de História.

É a terceira catedral mais alta do mundo, teve sua pedra fundamental lançada em 1248 e levou exatos 632 anos para ser construída: sempre fiel ao traçado original. Este é o motivo de ter uma identidade tão forte!

Para saber mais sobre a cidade de Colônia e sua catedral preparamos dois posts bem completos — confira e saiba tudo sobre o assunto!

E temos ainda um terceiro, sobre a Água-de-Colôniaum dos perfumes mais antigos do Ocidente.

Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa

Já ouviu falar em Arquitetura Manuelina? Esse é o nome dado ao estilo Gótico tardio português.

Ainda que um tanto posterior aos exemplos anteriores, se comparado a outros países, a Arte Manuelina tem características locais. Está intimamente ligada ao sucesso da Era das Descobertas e ao poder de Portugal naquele momento.

E, claro, ao rei que governava o país: D. Manuel I.

São diversos os exemplos desta arquitetura em Portugal, mas o Mosteiro dos Jerónimos é a máxima expressão, e um dos lugares que não pode deixar de ser visitados quando na capital lusa.

A decoração apresenta imensa complexidade e beleza no trabalho escultórico da decoração, repetindo formas ligadas ao mar: as cordas, sereias, algas, corais, caracois e os símbolos do governo, como a esfera armilar e a cruz da Ordem de Cristo — a marca dos patrocinadores.

A imagem que encabeça este post é um recorte da portada principal da Igreja do Mosteiro dos Jerónimos.

Mas vale lembrar que há obras góticas muito mais antigas em Portugal: a primeira delas é a do Mosteiro de Alcobaça.

Sante Chapelle, em Paris

Uma obra batante posterior às primeiras construções no estilo e tida como o melhor exemplo do chamado Gótico Rayonnant, ou Radiante.

Foi inteiramente construída em 7 anos, entre 1241 e 1248 e o destaque neste tipo de construção são ainda mais aberturas, cobertas por vitrais coloridos, para aproveitar o efeito da luz no interior.

Quem já esteve na Sainte Chapelle sabe que o ambiente iluminado é quase celestial.

Ela é dividida em duas partes, a Chapelle Haute e a Chapelle Basse. A parte superior é muito mais bonita, era reservada apenas ao rei, sua família e a pouquíssimos convidados. A parte de baixo era para todos que trabalhavam ou tinham acesso à corte e ao antigo palácio real.

Hospice de Beaune, na Borgonha

No coração da Borgonha, a romântica cidade de Beaune, é onde encontramos este exemplo do que ficou conhecido como Gótico Flamejante.

O nome vem de flamas, ou chamas, e é também tardio. A arquitetura é extremamente detalhada, com rendilhados e uma decoração extravagante e bem colorida.

O Gótico Flamejante é um tipo de construção que antecede a chegada do Renascimento.

estilogotico-beaune
Vista do interior do Hospice de Beaune, um hospital medieval cuja fundação continua os atendimentos até hoje!

Duomo, em Milão

Uma das principais atrações de Milão está instalada na parte mais bonita da cidade, junto a Galleria Vittorio Emanuele.

Mais um exemplo de Gótico tardio, começou a ser construída em 1386 e só ficou pronta em 1965.

Obra de proporções gigantescas afirmam haver 3400 esculturas decorando a sua fachada, que é elegante e está extremamente bem mantida.

estilo gotico milao
A fachada do Duomo de Milão, que lembra um castelo de areia.

Catedral de Sevilha, na Andaluzia

Deixamos para o final deste post apresentar a maior obra gótica da Europa!

Começou a ser construída em 1401 e se tornou o símbolo dos Reis Católicos e de suas conquistas: o casal Isabel de Castela e Fernando de Aragão estão sepultados ali.

Tem uma particularidade que é a sua torre, conhecida como La Giralda, com 104 metros de altura: sua decoração mantém inspiração árabe — de acordo com o passado Andaluz.

Agora que já conhece mais do estilo Gótico…

É claro que existem muitas outras obras no estilo pela Europa, nos países já citados, e também na Inglaterra e Áustria — mas vamos deixar para um próximo post. Junto a uma explicação sobre os principais elementos decorativos: gárgulas, quimeras, mísulas…

O que todas as construções Góticas têm em comum são a força de uma arquitetura projetada para encantar, grandes dimensões e a relevância da luz, contribuindo para deixar estas construções com ares sublimes.

E antes de finalizar, ressalto ainda que a acústica destas construções são excelentes — e também colaboravam para magnetizar a atenção dos fieis.

Para ver imagens que fizemos em diferentes construções góticas pela Europa é só nos acompanhar em nosso Instagram.

Até a próxima!

Quer receber mais conteúdos como esse?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

9 Comentários

  1. Parabéns Fernanda adorei este post. Nunca é tarde para aprender.

    1. Olá Célia, que bom ter você aqui e receber a sua mensagem! Feliz que gostou! Se cuide por aí e seja sempre bem vinda em nosso blog!

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.