copenhagen dinamarca

Copenhagen e as atrações imperdíveis na capital da Dinamarca

Copenhagen, a capital da Dinamarca, é um grande destino de viagem. É o país com a menor taxa de desigualdade social e o menos corrupto no mundo. Só por isso já vale a visita, mas a Dinamarca é rica culturalmente, bastante verde e muito interessante.

Então, saiba o que não perder em Copenhagen e se encante pela Dinamarca!

Um resumo da Dinamarca

É um dos 3 Países Escandinavos, junto à Suécia e Noruega e um dos 5 Países Nórdicos: que são os 3 escandinavos mais a Finlândia e a Islândia.

Copenhagen é a capital da Dinamarca e, também, a cidade mais populosa do país. Foi fundada em 1167, embora já existisse ocupação na área portuária desde a Era dos Vikings.

Igualdade é a palavra mais importante para o governo dinamarquês. Para isso asseguram saúde, assistência social e educação universal. Para TODOS!

Poderíamos copiá-los, não é mesmo?

Como chegar a capital da Dinamarca?

Não há vôo direto do Brasil para a Escandinávia. Por ser um importante centro de negócios na Europa existem muitos voos de diversas cidades europeias para Copenhagen, onde há um aeroporto internacional. Frankfurt ou Lisboa são boas opções de entrada na Europa.

Mas você também pode chegar de trem à Dinamarca, partindo de algumas cidades alemãs, como Berlim e Hamburgo.

Nós fomos de carro: uma viagem tranquila e com belas paisagens — o que tem vantagens e desvantagens:

  • prós: viajar com calma, partimos do norte da Alemanha e atravessamos o oceano em uma imensa embarcação, que leva além de passageiros, carros, caminhões e os vagões dos trens!
  • contras: como qualquer capital europeia, você não vai precisar do carro no destino e acabará gastando com estacionamento. Mas, para compensar, poderá usá-lo para conhecer os arredores.

Onde ficar

Saiba que Copenhagen é um destino caro. É claro que há opções para todos os bolsos, gostos e tipos de viajantes, mas é um fato que a capital dinamarquesa está entre as mais custosas que já conhecemos.

Por isso a melhor opção é ficar perto do centro, para facilitar os deslocamentos.

Nos dias em que estivemos lá andamos muito a pé: a cidade é bem plana, assim como todo o país, e é fácil se locomover. Trams e metrô levam a todas as partes, mas você também pode se locomover de bicicleta — como faz grande parte da população.

Nós ficamos em Nyhavn, que quer dizer Porto Novo. Mas devo salientar que Nyhavn não é exatamente novo. O canal foi escavado na segunda metade do século 17!

Mais sobre Nyhavn

A região nasceu por volta do ano 1670… E logo se tornou a área mais valorizada de Copenhagen, onde viviam os comerciantes — a elite dinamarquesa.

A região floresceu até 1807, quando foi bombardeada, em meio às Guerras Napoleônicas. Nyhavn caiu em decadência e as propriedades passaram a abrigar bordeis e a área foi ocupada pelos marinheiros, até começar a revitalização, nos anos 1960.

Em 1980 o antigo cais foi transformado em área de pedestres e desde então a região vem se desenvolvendo: restaurantes, bares e lojas ocupam o local, que é ponto de encontro tanto da população como vive repleto de turistas estrangeiros.

Bastante colorido, é um dos locais mais charmosos da cidade, sobretudo nos meses mais quentes. É de lá também que partem os passeios pelos canais — uma ótima maneira de conhecer Copenhagen.

Amalienborg e arredores

Seguindo a pé pelo antigo cais de Nyhavn chega-se a praça octogonal onde está o Amalienborg.

É lá que vivem nos meses mais frios a rainha Margareth e seus descendentes — uma família real bem menos pomposa que os Windsor da Grã-Bretanha.

E alguns passos dali está a Frederikskirke, também conhecida como Marmorkirken, ou Igreja de Mármore — uma belíssima construção neoclássica, reproduzida em nosso livro sobre este estilo artístico.

Caminhando um pouco mais passamos por um parque, chamado “Kings Garden” e chegamos ao Rosenborg Slot.

Castelo Rosenborg

Slot é castelo em dinamarquês, e o Rosenborg é uma construção renascentista, inaugurada em 1624. Com uma decoração exagerada, mas interessante, é onde estão expostas as joias da coroa dinamarquesa. Então se prepare para ter suas bolsas e mochilas revistadas por uma guarda com cara de pouquíssimos amigos…

Stroget

Na região também está a Stroget, a mais longa rua de pedestres do mundo!

Lojas de todos os tipos e algumas cafeterias que podem salvar o dia de quem, como eu, não ama a cozinha nórdica!

Lego: uma das mais famosas marcas dinamarquesas

Na área de pedestres está a loja conceito da Lego: não deixe de visitá-la de for a Copenhagen!

A empresa foi criada nos anos 1930 e seu fundador, Ole Kirk Kristiansen, criou o sistema de encaixe que vem encantando gerações desde então.

As peças são produzidas em plástico desde 1934. E acho bacana registrar que LeGo vem de leg godt, que quer dizer brincar bem.

Atualmente se pode montar quase tudo com as peças Lego. E de brincadeira de criança passou a material para obras de arte e objetos de coleção.

A grande loja no centro da capital dinamarquesa é imensa e são tantas cores e modelos de pecinhas que é impossível não se impressionar. Para quem viaja com crianças é um must!

Recomendo uma passadinha, é sempre divertido!

Uma curiosidade

É interessante perceber também que, sendo a maioria da população luterana, algumas igrejas católicas passaram a ter outra ocupação.

Em uma delas encontramos um sebo de livros, em outra diferentes barracas de objetos artesanais e outra havia se transformado em um local de balada! Difícil de imaginar isso por aqui!

Copenhagen e seus museus

Os dinamarqueses são referência no design, com vários nomes reconhecidos pelo mundo afora, como é o caso de Arne Jacobsen e suas icônicas cadeiras.

Contudo, o mesmo não acontece com os artistas nórdicos. Os principais nomes da pintura e escultura não estão no radar mesmo de quem se interessa por arte europeia.

Mas o fato de não serem conhecidos por aqui não quer dizer que não devam ser vistos, muito pelo contrário.

E, por isso, recomendamos uma visita a três ótimos museus:

  • Design Museum Danmark: perto do Amalienborg;
  • Statens Museum fur Kunst: o museu de Belas Artes a cidade;
  • NY Carlsberg Glyptotek: perto do Tivoli, abriga a excelente coleção de arte do fundador da cervejaria Carlsberg.

Hans Christian Andersen

O escritor H.C. Andersen é o autor de obras consagradas da literatura infantil, eternizadas nas lembranças de crianças do mundo todo. Entre as suas obras mais famosas cito as minhas preferidas:

  • O Patinho Feio;
  • O Soldadinho de Chumbo;
  • A Pequena Sereia.

E este é o motivo de haver tantos turistas em busca de uma foto com a pequena escultura da Sereiazinha, uma obra inaugurada em 1913 no cais Langelinie.

Então não se esqueça: não foi a Disney que criou a famosa personagem!

Curiosidades finais sobre Copenhagen e Dinamarca

Não esqueça que o país tem a sua própria moeda: a coroa (DKK). A Dinamarca é moderna e segura, mas convém ter algum dinheiro local para emergências e pequenos desembolsos.

copenhagen dinamarca
Detalhe de construção de 1737

O governo, que é uma monarquia constitucional baseada no Parlamentarismo, se preocupa de verdade com os seus cidadãos. Além de saúde e educação para todos eles aprovaram uma lei que garante que TODOS tenham um parque a, no máximo, 15 minutos a pé de suas casas.

Outro ponto interessante é que um dos restaurantes mais famosos do mundo fica em Copenhagen. É o NoMa. O nome do restaurante vem de Nordik e Mad (comida em dinamarquês).

Para mim, alérgica a peixes e frutos do mar, é impossível encontrar boas opções na cozinha escandinava. Mas Copenhagen não é reconhecida por ser um destino gastronômico, não é mesmo?

Quando ir?

Depende de você! Mas, é claro, se quiser aproveitar melhor os muitos parques da cidade e andar a pé por Copenhagen e outras cidades da Dinamarca o melhor é no final da primavera e no verão: que é fresco como um bonito dia de inverno em São Paulo!

Embora frios para os nossos padrões sul-americanos de clima, os dias de verão na Escandinávia são longos. E a população sai animada para a rua, sempre movimentada, deixando a cidade alegre e festiva.

De certo que no outono e início da primavera os preços de hospedagem são menores. E acho que o inverno na Dinamarca é só para quem realmente gosta de aproveitar o frio.

Em breve: mais sobre Copenhagen, Dinamarca e arredores

Certamente, Copenhagen merece uma visita e há muito mais para descobrirmos neste país e em seus vizinhos. Estamos preparando mais conteúdos sobre os Países Nórdicos e vamos lançar novos E-books com mais informações. Assim, fique de olho!

E, antes de nos despedir por hoje, para quem quiser ver outros destinos que visitamos pelo mundo é só nos acompanhar em nosso Instagram.

Quer receber mais conteúdos como esse?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

6 Comentários

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.