barroco mestico

Barroco mestiço: saiba mais sobre este estilo artístico!

Já escrevemos que o Barroco nasceu como uma das maiores armas da Igreja Católica para combater a Contrarreforma Protestante.

Mas para começar a entender o que é o Barroco Mestiço é preciso voltar, e lembrar que este estilo artístico se desenvolveu de maneira diferente em cada país.

O estilo artístico conhecido como Barroco sempre se misturou à cultura local de cada região onde ocorreu. E é esse justamente o assunto de hoje, com exemplos interessantíssimos encontrados no Peru.

Quer entender um pouco mais? Ora, é só seguir conosco!

A arte barroca em Cusco

Quem já esteve em Cusco, ou já se interessou por fotos da cidade, deve ter percebido a qualidade da arquitetura e decoração barroca das muitas igrejas locais.

E isso faz um contraponto bastante interessante à arte de construir dos incas, fazendo de Cusco um destino de viagem ainda mais rico!

E para entender, de uma maneira simples, como isso ocorreu, é preciso contarmos sobre o movimento que ficou conhecido como Escola Cusquenha.

Mais sobre a Escola de Cusco

Nos tempos coloniais, os artistas locais foram adequando às técnicas dos mestres espanhóis ao seu dia a dia. Mas eles jamais se esqueceram de sua própria cultura, mesclando às novas técnicas motivos pré-colombianos.

Foi a forma que encontraram para que a nova arte passasse a fazer sentido para eles. Por isso, deixaram de copiar os modelos europeus, e passaram a reproduzir figuras locais, agregando os seus gostos e o que conheciam como arte anteriormente.

E, assim, os personagens bíblicos deixaram de ser retratados à maneira europeia e foram ganhando feições indígenas.

Igualmente o cordeiro acabou sendo substituído pelo cuy, como prato central das pinturas da Santa Ceia.

Caso não saiba o que é o cuy explicamos: é um tipo de roedor nativo dos Andes bem peludo e muito bonitinho, conhecido por aqui como porquinho-da-índia.

Domesticado em tempos ancestrais é usado na alimentação local desde a época dos Incas, e até hoje é bastante valorizado na gastronomia local.

Mas, voltando à nossa narrativa, foi esta miscigenação da arte europeia com a indígena que a cultura do Velho Mundo passou a fazer sentido para a aqueles artistas. Bem como para toda a população de Cusco.

Uma arte que perdura

Também é interessante constatar que esse movimento, conhecido como Escola Cusquenha, continua a ser repetido na pintura até os dias de hoje. Segue sendo reproduzido pelos artesãos locais.

Alguns exemplos do Barroco no Peru

Depois de termos nos encantado primeiramente com Cusco, voltamos ao país em busca dos melhores exemplos de Barroco Mestiço, também conhecido como Barroco Andino.

Nosso ponto de partida foi o Valle do Colca, partindo da belíssima Arequipa, localizada no Vale dos Vulcões. Depois seguimos em busca das construções do altiplano peruano, na região do Lago Titikaka.

Nas duas localidades encontramos exemplos lindos e bem preservados, fortemente decorados com temas locais: reproduzindo a flora e a fauna andinas.

Mas, como sempre ocorre com o Barroco, bem distintas as características das duas regiões.

Arequipa e o Vale do Colca

Embora menos conhecida por aqui Arequipa é mais um interessante destino peruano.

A cidade é uma bem preservada joia colonial e importante desde os tempos dos espanhóis, ainda que esteja cercada por alguns vulcões.

A decoração das muitas igrejas católicas privilegia figuras indígenas em suas fachadas.

Bastante ornamentadas, riquíssima em detalhes fora e no interior, um dos aspectos interessantes é que a cidade é quase toda branca.

E isso de deve ao material usado nas obras locais: uma espécie de pedra vulcânica completamente alva e com boa trabalhabilidade.

Em meio a paisagens de tirar o fôlego

Enquanto isso, no chamado Valle do Colca — região com pequenos povoados esparsos —, as igrejas são menores e mais singelas.

E por isso as suas fachadas são simplórias, e quase sempre caiadas.

Região do Lago Titikaka

Herança dos europeus, encontramos sereias e outros animais marinhos nos detalhes arquitetônicos, remetendo ao incrível lago.

Da mesma forma como no Vale do Colca as fachadas das principais construções são grandiosas, só que desta vez em pedra avermelhada — bastante comum na região Altiplano.

Ficou interessado?

Interessante como em um único país podemos ver tanta diferença em um mesmo estilo artístico, não é mesmo?

Gostou deste resumo sobre o Barroco Mestiço e quer saber mais? Recomendamos o nosso livro sobre o Barroco.

E para quem quiser ver as obras do Barroco que fotografamos no Brasil, no Peru e no Mundo, bem como qualquer de nossos outros destinos, é só nos acompanhar em nosso Instagram! =)

Quer receber mais conteúdos como esse?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

5 Comentários

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.